Como criar um produto? 5 coisas para você ficar de olho

Como criar um produto que seja realmente inovador? Primeiramente, a pessoa que deseja dar esse passo precisa ter muita criatividade e, ainda, certa noção de empreendedorismo. Afinal, mais do que ter uma boa ideia sobre um item, é necessário saber sustentá-lo no mercado.

É importante lembrar que, além de lançar uma nova mercadoria, você estará levantando um novo negócio. É preciso selecionar fornecedores, criar campanhas de marketing, fazer a distribuição do item, definir qual será o seu público, precificar o produto, além de cuidar de toda essa rotina empreendedora. 

Se você quer saber como criar um produto, continue acompanhando este post. Vamos te mostrar cinco pontos fundamentais para que a sua ideia seja um sucesso! Boa leitura.

Veja cinco coisas que a sua empresa precisa saber sobre como criar um produto

A maioria das pessoas não se atenta aos detalhes quando decide lançar um produto. É preciso desenvolver ideias, planejar e, principalmente, ter a certeza que o item irá agradar ao público. Só assim é possível lançá-lo no mercado.

Mas, afinal, como criar um produto? Veja cinco coisas para a sua empresa ficar de olho:

1. Tipo de mercado e posicionamento

Antes de pensar em como criar um produto, é preciso se questionar: será que alguém vai comprá-lo? Existe mercado para esse tipo de item? 

Essas perguntas valem tanto para os produtos físicos quanto para os produtos online. Se você quiser lançar um aplicativo, por exemplo, deve analisar se ele vai resolver o problema do seu usuário. E o principal, se eles realmente estão dispostos a pagar pelo seu produto. 

Além de todas essas questões, realize uma pesquisa de mercado para saber como criar um produto que realmente faça sucesso. Para realizar suas pesquisas, formule questionários e peça às pessoas para responderem. Diversos modelos online podem te ajudar. 

2. Fazendo o protótipo do produto

Criar o primeiro protótipo do seu novo produto é fundamental, sendo ele físico ou online. Além de realizar testes para saber se ele funciona adequadamente, você vai conseguir apresentá-lo para algumas pessoas e, quem sabe, ter um grupo para te ajudar a aprimorar sua ideia. Esse é um passo fundamental para lançar o seu produto no mercado.

A impressão 3D é uma maneira de prototipar o seu produto. Basta criar um objeto em três dimensões no computador ou usar um software de modelagem para fazer o que deseja. Com esse modelo pronto, basta converter para o formato em impressão 3D. Os tipos desse serviço são:

  • Fabricação com filamento fundido;
  • Estereolitografia;
  • Sinterização Seletiva a Laser;
  • Sinterização Direta de Metal a Laser;
  • Polyjet.

As principais vantagens de realizar esse tipo de impressão para criar o protótipo são:

  • Combate ao desperdício;
  • Dá mais qualidade ao produto e é possível customizar;
  • Há possibilidade de inovar na marca.

Vale lembrar que você pode terceirizar a impressão 3D e a criação do protótipo com empresas especializadas. Uma escolha que lhe ajudará a ter um material com maior qualidade, mais rapidez e de acordo com o que deseja.

A MUV é uma das empresas especializadas nesse tipo de serviço. Para saber mais, clique aqui e conheça nosso trabalho mais a fundo.

3. Criação de identidade visual e divulgação

Chegou a hora de analisar quais as cores que representarão o seu produto. Qual será o nome? E o slogan?

Isso requer bastante estudo e criatividade. Afinal, como criar um produto sem um nome, cores que chamem atenção e um slogan? É quase uma missão impossível.

Portanto, se você é uma pessoa que não tem a criatividade para essa área, terá que recorrer a profissionais experientes para te ajudar. Além de te auxiliar nessa criação, eles te darão dicas de posicionamento de mercado e como divulgar o seu produto, ainda em fase de desenvolvimento. 

Caso você não queira a ajuda de profissionais da área de criação, é possível contar com a ajuda de sites de criação como, por exemplo, o Canva. Lá existem vários modelos adaptáveis e você pode colocar o seu logo do jeito que preferir.

Esses sites colaborativos ajudam a criar outros materiais que você irá precisar como, por exemplo, cartão de visitas, embalagens, capas para redes sociais e outros. Vale lembrar que peças para a comunicação da sua marca são essenciais para divulgar seu produto.

4. Patente do produto, registro da marca e nome

Agora chegou o momento de patentear o seu produto, registrar o nome e também a sua marca. Isso tudo juntamente com o logo criado. Dependendo, também deve registrar o slogan. 

Geralmente esse é um processo um pouco mais burocrático e demorado. É preciso pagar taxas junto ao INPI, Instituto Nacional de Propriedade Industrial, órgão responsável por registrar e patentear um produto.

É importante que você siga todos os passos para registro, caso contrário, correrá o risco de ter suas ideias plagiadas. Se não houver o registro, alguém pode fazer isso antes de você. E se não tiver nenhuma segurança jurídica, não terá como recorrer a seus direitos.

Quer ajuda nesse passo a passo? Veja este post completo com todas as dicas para registrar a patente de seu produto.

5. Mercado teste

Finalmente é chegado o momento de colocar o seu produto em um mercado de teste. Um passo caro, que normalmente somente grandes empresas conseguem fazer com total segurança. Porém, se o seu negócio não é tão imenso assim, é possível realizar esse teste em uma alternativa, fazendo um MVP (Minimum Viable Product). Traduzindo para o português: Produto Minimamente Viável

Isso significa que o seu produto deve ter um mínimo de funcionalidades para ser apresentado e despertar o interesse do seu público. É uma produção mais barata, antes do produto ser realmente produzido em grande escala e enviado para a venda efetiva.

Apesar de ser um passo arriscado, financeiramente falando, não tem como criar um produto sem correr esse tipo de risco. Não dá para ter total certeza que ele será 100% aceito no mercado. Porém, antes de testar é necessário garantir que você levará para o seu público algo de qualidade, do que não realizar nenhuma prova e ele cair em rejeição. O investimento em teste é melhor do que não ter o lucro esperado futuramente.

Como você pode ver, não é somente como criar um produto, o processo envolve muito mais coisas. É preciso planejar, pesquisar, desenvolver a ideia e se preocupar com os demais detalhes para que ele entre no mercado totalmente legalizado. Mas acima de tudo, saber se o seu produto será útil para o consumidor.

Gostou do nosso conteúdo? Assine a nossa newsletter e tenha acesso a materiais exclusivos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *